quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Pipa

Sou pipa, sou simples na vida.
Não tenho fio ou linha que me tragam ao chão,
e se numa lufada o tempo me sopra,
saio voando livre, leve e sem rota.

Se de repente o vento cessa
- em uma pausa traiçoeira -
caio sem cuidado, quase sempre machucada,
numa morte passageira.

Mas o vento retorna insistente,
inflando a seda, animando um esqueleto de bambu,
fazendo ganhar vida meu inerte corpo de pipa
cortando, inconstante, o profundo céu azul


Amir Sahid
Postar um comentário